HOMEOPATIA ANIMAL
HOMEOPATIA VETERINÁRIA

mes do cachorro louco

Toda mamãe ou papai de pet já ouviu falar que agosto é o “mês do cachorro louco”, mas, talvez, desconheçam o porquê dessa expressão. Entre tantas e tantas teorias, uma delas justifica-se pelo aumento de cadelas no cio que, por atraírem a atenção dos machos, acabam por gerar disputas violentas entre eles. Basta um arranhão, uma mordidinha de leve, se houver o contato com a saliva de um animal contaminado com o vírus da Raiva, o outro pode estar sujeito a transmissão.  
Desta forma, com tantas fêmeas no período fértil, o mês de agosto favorece a transmissão do vírus em uma escala maior do que os demais períodos do ano.

Cuidado com a Raiva!

Como já falamos acima, a raiva é uma doença transmitida por meio do contato com a saliva (arranhões ou mordidas) ou pelo contato com secreções ou fezes de um animal contaminado.

Sabe o que é mais preocupante? A doença tem uma taxa de mortalidade de quase 100% e é considerada incurável. Além disso, a raiva pode ser transmitida também para nós humanos, que diante da agressividade do vírus pode até levar a morte.

Já viu que o assunto é sério né? E com coisa séria não se brinca, então bora procurar a carteira de vacinação do seu companheiro e garantir que esteja tudo em ordem.

Atenção com a vacina mamães!

Você e seu fofuxo podem até ficar estressados de vez em quando, mas com raiva, JAMAIS!

Por isso, é importante estar atento a vacinação anual, que além de ser obrigatória por lei, é a forma mais segura de deixar o seu bebê imune ao contágio, principalmente nos períodos de maior transmissão.

Anualmente ocorre em todo o Brasil a campanha de vacinação contra a raiva, geralmente no mês de agosto. Porém, caso seu pet esteja com a vacina vencida basta procurar o Centro de Controle de Zoonoses ou o veterinário mais próximo e fazer a solicitação, ainda que não esteja no mês da campanha.

A partir dos três meses de idade seu pet já pode receber a primeira dose da vacina, que deve ser renovada anualmente para continuar protegido.

É extremamente importante que no ato da vacinação seu fofuxo esteja saudável, caso apresentem diarreias, ou estejam em tratamento ou se recuperando de cirurgias o indicado é que aguarde para receber a vacina.

Meu Pet se meteu em uma briga, e agora?

Caso seu pet tenha se envolvido em uma briga e entrado em contato direto com a saliva de outro animal desconhecido, mantenha calma e realize os seguintes procedimentos:

  • Lave o ferimento com água e sabão e procure imediatamente orientação médica veterinária;
  • Identifique o animal agressor e seu proprietário;
  • Caso o cão ou gato for conhecido, observar o animal por 10 dias;
  • Caso o animal não tenha dono, desapareça, adoeça ou morra, procure imediatamente orientação com o Centro de Controle de Zoonoses da sua cidade.
    08.08.2019

    Postado em Cães

    Quando um animal vive em um ambiente que possui a presença de carrapatos, pode estar  sujeito a ter a doença do carrapato.

    Sobretudo, essa doença infecciosa é causada por um hemoparasita, sendo que o vetor de transmissão é o carrapato.

    Aliás, ele se alimenta do sangue do animal e a doença do carrapato pode ser manifestada de duas formas, ou pela bactéria Erhliquia, ou pelo protozoário Babesia canis.

    Como perceber que meu filhote tem a doença do carrapato?

    É necessário entender o universo de cada agente infeccioso. Caso sua cachorra esteja prenha e já tenha a doença do carrapato, pode ser que os filhotes também venham  ter a doença.

    Isso se deve ao fato de que se o animal foi infectado pelo protozoário, a infecção pode ser transmitida de forma indireta.

    Isso ocorre porque na Babesiose, os microorganismos replicam-se e atacam os glóbulos vermelhos. Assim, tanto por transfusão sanguínea ou pela placenta, os filhos estão sujeitos a contrair a doença do carrapato.

    Você consegue perceber que seu filhote está com a doença do carrapato por meio de alterações de comportamento e humor, alguns sinais incluem:

    • Falta de apetite
    • Febre
    • Dor e rigidez
    • Hematomas
    • Anemia
    • Sangramento nasal (Epistaxe)

    Dicas de como acabar com a doença do carrapato do meu filhote

    Se o seu filhote contraiu a doença do carrapato seja de forma indireta ou não, é aconselhável que você o leve ao veterinário com urgência.

    Ademais, o profissional saberá te informar o tratamento mais adequado ao seu animal: tomar medicamentos específicos ou até mesmo realizar uma transfusão de sangue.

    Ainda, é interessante seguir algumas orientações para evitar a doença do carrapato. A dica ideal seria manter distância desses ectoparasitas.

    Assim, procure higienizar o ambiente que seu filhote costuma brincar.

    Além disso, procure sempre conferir o pelo dele após o contato com outros animais ou ambientes desconhecidos.

    Controle os carrapatos com o FATOR ECTO CÃO®.

    Dessa forma, conclui-se que um ambiente bem limpo e um bom cuidado com o filhote garante a segurança contra a doença do carrapato.

    Esperamos que esse artigo tenha sido útil. Até a próxima!

      21.06.2019

      Postado em Cães

      Hemoparasitose, comumente conhecida como a doença do carrapato, é um problema de grande receio para muitos donos de animais de estimação.

      Pois por mais que haja cura, quando não identificada e tratada, a doença do carrapato pode ser fatal.

      Assim, a Arenales preparou esse post para você ficar informado sobre o que é, e como curar a doença do carrapato.

      Mas afinal, o que é a doença do carrapato?

      A doença do carrapato é uma infecção grave que ocorre normalmente em cachorros e é causada por um hemoparasita. Ainda, a doença pode ser apresentada de duas formas:

      • Erliquiose (bactéria) – atua na destruição dos glóbulos brancos.
      • Babesiose (protozoário) – ataca os glóbulos vermelhos.

      Embora causada por agentes distintos, ambas podem ser acometidas juntas, o que piora o quadro clínico do animal.

      Ademais, o carrapato marrom (Rhipicephalus sanguineus) é o meio de transmissão da doença. Deste modo, ele se instala no cachorro e se alimenta de seu sangue.

      Quando o animal está com a doença do carrapato e ainda, tem carrapatos se sustentando de seu sangue, ele pode ficar mais debilitado, pois além dos sintomas da doença, ele vai ter uma perda considerável de sangue.

      Formas de tratamento da doença do carrapato

      Por mais que não exista uma vacina, a doença do carrapato tem cura, se atendida a tempo. Assim, o tratamento deve ser iniciado de imediato quando notar mudanças no comportamento do seu cachorro e sintomas como:

      • Febre e fraqueza
      • Depressão
      • Anemia
      • Perda de peso e desidratação
      • Perda de apetite
      • Mucosas pálidas ou amareladas.

      Então, leve seu animal ao veterinário, pois através de exames laboratoriais o médico dará o melhor diagnóstico,  além de saber fazer a distinção dos microorganismos que afetou o animal e ainda, qual o estágio da doença do carrapato ele se encontra.

      Sobretudo, é importante o atendimento de um profissional, pois a automedicação não é indicada e pode causar mal ao seu bichinho.

      Aliás, dependendo do microorganismo que atacou seu animal, o tratamento é feito de forma diferente.

      Como evitar a doença do carrapato?

      Contudo, para prevenir a doença do carrapato do seu bichinho é preciso seguir algumas orientações:

      • É crucial que haja a eliminação do seu vetor (Carrapato marrom). Caso seu animal esteja em fase de tratamento da doença, ter carrapatos no ambiente torna-o ineficiente.
      • Uma das formas de prevenir a doença do carrapato é observar as condições do ambiente que seu animal vive. Deixar o lugar sempre bem limpo.
      • Ainda, é necessário que você observe a pelagem do seu animal com frequência, principalmente após passeios.
      • O FATOR ECTO CÃO da Arenales controla os carrapatos dos cães sem efeitos colaterais.

      Espero que esse artigo tenha sido útil para você. Até a próxima!

        14.06.2019

        Postado em Sem categoria

        Os animais também são afetados com doenças oculares e quando não percebidas prejudicam as atividades do cachorro no dia a dia e algumas delas são bastante semelhantes com as que afetam os humanos.

        As doenças oculares têm causas variadas, podendo ser desenvolvidas por conta de traumas, infecções e alergias.

        Nós da Arenales Homeopatianimal, preparamos um artigo para você conhecer algumas doenças oculares que ocorrem em animais, para te ajudar nos cuidados com o animal de estimação, como também outras informações para conduzir e evitar uma possível doença. Confira:

        Como perceber que meu animal está com um problema  ocular?

        Uma rotina corrida muitas vezes impede que nos atentemos a detalhes importantes na saúde do nosso bichinho, contudo, é interessante ficar atento ao cuidado dos olhos deles.

        Há sintomas que podem ser percebidos em animais que apresentam doenças oculares, como:

        • Visão embaçada
        • Olhar perdido
        • Queda constante

        Doenças oculares

        Olho Seco

        Ocasionado pelo ressecamento da superfície ocular, por lacrimejamento insuficiente. É uma doença provocada por fatores como dormir de olhos abertos, pelos grandes tocando no olho, herança genética (raças pré-dispostas), etc.

        Um dos principais sintomas é a secreção ocular (remela), que pode ser observado pela quantidade de vezes que você precisa limpar os olhos, o normal é 1 vez ao dia.

        Ao primeiro indício de ressecamento, leve seu amigo ao veterinário para evitar possíveis problemas e o desenvolvimento de doenças oculares.

        Úlcera de córnea

        Provocada por um trauma ocular como brigas entre cães, gatos, arranhões, coceira, etc,  é uma doença que mais causa perda da visão em animais,  principalmente pela demora de levar o pet ao veterinário.

        Prevenção da doença ocular em animais

        Dessa forma, o cuidado com os olhos dos animais é algo que precisa ser feito constantemente para evitar doenças oculares e até mesmo perda de visão. Assim, é necessário que adote 2 hábitos bem simples com seu bichinho:

        • Observação
        • Limpeza nos olhos diariamente

        E aí, o que achou? Esperamos que esse artigo tenha sido proveitoso para você. Até a próxima!

          11.06.2019

          Postado em Cães

          Estar fraco, triste e com cansaço pode ser caracterizado por vários motivos, e apesar de na maioria das vezes aparentar ser apenas preguiça, é preciso notar o período que o animal se encontra dessa forma, pois pode significar que seu animalzinho não está bem.

          Além de nós, seres humanos, os animais também podem ter anemia. Entretanto, por mais semelhante que essa disfunção possa ser, há dificuldades em perceber os sintomas que afetam o animal muitas vezes passando despercebidas.

          Mas afinal, o que é anemia?

          Anemia caracteriza-se pela redução no número de hemácias, ou na  deficiência da concentração de hemoglobina, uma substância presente nos glóbulos vermelhos cuja função é o transporte de oxigênio para as células do nosso organismo.

          Como perceber a anemia no meu animal doméstico?

          Embora que para receber o diagnóstico do quadro clínico do seu animal seja necessária a realização de exames de sangue, o tutor do cão pode perceber alguns sintomas bem comuns em animais com anemia:

          • Gengivas e mucosas pálidas
          • Indisposição
          • Desmaio
          • Perda de pelo e apetite
          • Fadiga
          • Depressão
          • Sangue nas fezes

          O que causa anemia em cães

          Em suma, é comum relacionarmos a causa da anemia com a carência de ferro na alimentação, entretanto a anemia em cães pode apresentar quatro variações provocadas por distintas causas, são elas:

          Anemia hemorrágica

          Ligada a perda de sangue, a anemia hemorrágica pode ser provocada devido a acidentes, cortes, feridas e até mesmo por úlcera ou câncer. E os sintomas podem ser percebidos pela presença de sangue nas fezes ou na urina.

          Anemia hemolítica (imunomediada e congênita)

          ligada ao sistema imunológico do animal e pode apresentar como imunomediada, no qual ocorre a destruição de células pelo aparecimento de anticorpos e células invasoras, ou como congênita, que surge por meio de uma causa hereditária ou intoxicação.

          Anemia aplástica

          Sobretudo, pode ser causada por tumores, radiações, infecções, etc no qual a produção de glóbulos vermelhos na medula óssea é interrompida.

          Ademais, é preciso ficar atento aos carrapatos, pois doenças transmitidas por este podem destruir as hemácias e ser responsável pela anemia em animais.

          Dessa forma, levar o cachorro ao veterinário regularmente é importante tanto para descobrir os tratamentos mais adequados, como  evitar o agravamento de outras possíveis doenças. Esperamos que esse artigo tenha sido útil, até a próxima!

            05.06.2019

            Postado em Sem categoria

            A Fitoterapia e Homeopatia são dois processos utilizados para o tratamento doenças, e são metodologias que buscam tratar de forma natural, logo, não são provenientes de materiais industrializados.

            Entretanto, a Fitoterapia e Homeopatia possui diferenças quanto à sua forma de terapia medicinal. A fitoterapia utiliza plantas para o tratamento, enquanto a homeopatia emprega elementos de origem animal ou mineral.

            Entretanto, as diferenças entre Fitoterapia e Homeopatia não se restringem somente à matéria prima de seus métodos, vai muito além, distinguido também na forma como o diagnóstico é obtido.

            Assim, nós da Arenales preparamos um post para tirar todas suas dúvidas a respeito das diferenças entre Fitoterapia e Homeopatia, confira:

            Fitoterapia

            A Fitoterapia tem origem exclusivamente vegetal. Assim, quando se utiliza parte de uma planta como matéria prima em um produto farmacêutico, que tenha efeito farmacológico, é considerado um medicamento fitoterápico.

            Embora seja um medicamento natural, os medicamentos fitoterápicos apresentam substâncias químicas (fitocomplexos), e é justamente essas substâncias que permitem o efeito terapêutico dos medicamentos fitoterápicos.

            Assim, a Fitoterapia é uma terapia com medicamentos que possuem substâncias com matéria química atuantes diretamente no corpo, ao contrário da homeopatia, no qual apresenta ação física.

            Homeopatia

            O corpo precisa ser estimulado para buscar o equilíbrio. A Homeopatia, dispõe de um método que proporciona exatamente isso.

            O procedimento homeopático objetiva o tratamento de doenças a partir do uso de medicamentos que produz efeitos semelhantes aos sintomas, porém com doses reduzidas.

            Essas doses são diluídas de elementos extraídos da natureza (com origem animal, vegetal e mineral).

            E ainda, os medicamentos homeopáticos não possuem matéria química, dessa forma, não apresentam efeitos colaterais, ao contrário dos fitoterápicos, que podem ocasionar algumas reações como alergias, irritações, etc.

            Esperamos que esse artigo tenha sido útil e você tenha tirado suas dúvidas das diferenças entre Fitoterapia e Homeopatia. Até a próxima!

              24.05.2019

              Postado em Sem categoria

              Envenenamento em gatos que causa a morte, infelizmente, não é incomum. O gato é um animal muito curioso, e isso muitas vezes pode fazer com que ele mexa em determinados lixos onde contém materiais de risco, e ainda, faça com que ele invada residências e cause a ira de alguém.

              Muitas vezes não podemos fazer muito para ajudar, mas de qualquer forma, reconhecer a situação que o gato se encontra já ajuda para levar ao veterinário o quanto antes e evitar que ele morra.

              Assim, nesse artigo vamos apresentar quais são os sintomas que os gatos envenenados apresentam e formas de salvá-los e tratá-los caso essa situação aconteça.

              Sintomas apresentados pelo veneno

              • Vômitos e diarreias (com sangue)
              • Salivação excessiva
              • Tosse e espirros
              • Irritação gástrica
              • Irritação da zona da pele que entrou em contato com o tóxico
              • Dificuldade em respirar
              • Convulsões, tremores e espasmos musculares involuntários
              • Depressão
              • Pupilas dilatadas
              • Debilidade
              • Dificuldade de coordenação nas extremidades por problemas neurológicos (ataxia)
              • Perda de consciência
              • Micção frequente (urinar muitas vezes)

              Primeiros socorros

              Ao reconhecer os sintomas presentes em um gato envenenado, o ideal é levá-lo a uma clínica veterinária imediatamente. Caso a opção seja atendimento domiciliar, peça para alguém ligar para o veterinário enquanto você tenta estabilizar o gato. Siga alguns passos:

              1. Deixe-o em um ambiente arejado e iluminado
              2. Tentar retirar a fonte do veneno se possível
              3. Não induza o vômito com o intuito de “remover” o veneno e achar que ele irá ficar bem, dependendo da fonte do veneno ele pode ficar mais fraco, ou ainda, ter seu esôfago agredido pelas substâncias.
              4. Tente dar o máximo de informações possíveis ao veterinário
              5. Caso o veterinário autorize (enquanto ele não chegue) dê água ao gato
              6. Caso o veneno tenha sido através da contaminação diretamente no pelo, procure tentar remover o máximo que conseguir, ou até mesmo cortar parte do pelo contaminado.

              Tratamento de diferentes fontes de envenenamento

              O tratamento deve ser feito por um médico veterinário, afinal, ele saberá qual o tratamento mais indicado para seu animal. Por isso, é extremamente importante que você analise bem e o informe tudo que possa ajudar para o tratamento do seu gato, principalmente a fonte do veneno.

              Com isso, depois de tratado, é importante fazer um acompanhado para verificar se o veneno saiu do corpo e se ele está bem. Ademais, é necessário que você o mantenha sempre distante da fonte que lhe causou tudo isso.

              Lembre-se que violência animal é crime, em caso de desconfiança, denuncie!

              Acompanhe as redes sociais da Arenales e fique por dentro de dicas e assuntos voltados ao universo animal! Até a próxima.

                12.04.2019

                Postado em Gatos

                Os medicamentos homeopáticos para animais são respondidos por estes da mesma maneira que com as pessoas. Ainda, há muitas semelhanças entre problemas de saúde animal e humana, como também, importantes diferenças.

                Homeopatia para animais

                No entanto, como a escolha do medicamento se baseia nos “sintomas” apresentados, esse não é um problema para o prescritor homeopático.

                Assim, é importante consultar um veterinário para problemas crônicos e quando a situação não estiver ao alcance dos seus conhecimentos de homeopatia.

                Quando surgiu a homeopatia?

                Há 200 anos Samuel Hahnemann desenvolveu a homeopatia, um sistema terapêutico que ficou conhecido no Reino Unido, América, Europa e Ásia e, em menor escala, na Austrália.

                Dessa forma, a homeopatia segue as leis científicas definitivas das preparações prescritas e curativas, que são tão verdadeiras hoje quanto eram na época do Dr. Hahnemann.

                • lei dos semelhantes
                • Experimentação
                • Doses mínimas
                • Remédio único

                Mas o que é a homeopatia para animais?

                Sobretudo, a homeopatia para animais (assim como para os humanos) é um tipo de tratamento para quase todos os tipos de doenças psicológicas e físicas.

                Além de tratar doenças, a homeopatia para animais também ajuda a prevenir. 

                Como usar a homeopatia para animais?

                Cada medicamento homeopáticos para determinado animal tem seu modo de uso. Com isso, a Arenales possui diversos Fatores® para os mais diversos tipos de animais, como cachorro, gato, bovinos, aves, equinos, suínos, ovinos, caprinos, peixes.

                No Site da Arenales você pode consultar o modo de usar para cada Fator® homeopático. A Arenales é uma empresa que atua no segmento homeopático veterinário, possuindo recursos que controlam e previnem patologias. Conheça mais sobre seus produtos aqui

                  A insuficiência renal que acomete humanos, também se manifesta em animais. Assim, março é reconhecido como o mês do cuidado e prevenção a doenças dos rins.

                  No entanto, é importante entender que os cães e gatos têm com frequência essas enfermidades, e por isso, precisa-se tomar os devidos cuidados para prevenir e garantir a saúde do seu pet.

                  Afinal, um diagnóstico precoce é fundamental para evitar problemas mais graves com o seu animalzinho. Pensando nos pets e pensando na conscientização da prevenção contra às doenças renais em cães e gatos.

                  A Arenales selecionou algumas dicas para te ajudar a lidar com seu animalzinho de estimação.

                  Quais os sintomas?

                  • Perda de apetite
                  • Perda de peso
                  • Aumento ou diminuição no consumo de água
                  • Aumento ou diminuição de frequência urinária
                  • Cansaço/fraqueza
                  • Vômitos
                  • Feridas na boca/ mal hálito
                  • Deterioração na pelagem

                  Diagnóstico: Exames de sangue, urina e ultrassom abdominal, para ter uma noção sobre as doenças renais.

                  Como saber sobre as doenças renais?

                  As doenças renais, age de forma silenciosa. Portanto, quando os sintomas começam a se manifestar, é porque apenas 20% dos rins do seu animal estão funcionando normalmente. Assim, fica difícil o tratamento para os animais que estão em estágios avançados como esse.

                  Contudo, é imprescindível uma vista periódica com um médico veterinário, para que a descoberta da doença seja feita o mais breve possível. Além disso, a importância de um acompanhamento é essencial para que haja uma atenção com a saúde do pet.

                  Recomenda-se que pelo menos uma vez por ano o seu animalzinho esteja fazendo exames gerais, a fim de detectar qualquer problema.

                  Entretanto, atualmente existem novos testes capazes de identificar a doença ainda quando 25% dos órgãos estão comprometidos. O que já agiliza o tratamento da doença.

                  Apenas um médico veterinário poderá indicar o melhor tratamento a se fazer, e uma boa alimentação contribui diretamente para a melhora dos quadros.

                  Terapias e formas de tratamento

                  Após a consulta com um especialista veterinário e suas orientações, é possível amenizar sintomas e ainda contribuir para a qualidade de vida do seu animalzinho.

                  A Arenales trabalha com o FATOR RENAL PET, na qual é um Medicamento Homeopático Complementar em Insuficiência Renal e suas manifestações clínicas.

                  Além de não apresentar riscos de intoxicação com que irá manipulá-lo, ele atende as boas normas de fabricação e qualidade dos medicamentos de uso veterinário.

                  Ademais, ele é indicado como medicamento homeopático  em:

                  • Nefrites
                  • Nefroses
                  • Supressão urinária
                  • Degeneração renal
                  • Uremia
                  • Proteinúria
                  • Urina Sanguinolenta com febre
                  • Vômitos
                  • Desidratação

                  Dessa forma, é possível sim cuidar do seu melhor amigo! Esteja sempre indo atrás de deixar os exames em dia, busque tratamento e conte com a Arenales sempre!

                  Você encontra no site da Arenales diversos medicamentos homeopáticos que pode ajudar a situação do seu pet.

                  Ajude a promover a conscientização da prevenção das doenças renais! Infelizmente ela acomete muitos animais, entretanto, passa despercebido. Não espere ser tarde demais para buscar tratamento, comece agora.

                  Até a próxima!

                    25.03.2019

                    Postado em Sem categoria

                    Assim como nós, a longevidade dos gatos também vem aumentando nos dias atuais. Com ela, a busca de informações por cuidado, alimentação e tratamento com os mesmos.

                    Podendo ser considerados idosos a partir dos 9 ou 10 anos de idade, é normal que o pet diminua seu ritmo, fique mais calmo, passivo… as mesmas manias permanecem com um pouco menos de agitação.

                    Sobretudo, os gatos ficam mais intolerantes ao calor e frios extremos, procurando lugares mais aconchegantes para ficarem.

                    Aqui vão algumas dicas para identificar a 3° idade nos bichanos e como diminuir riscos:

                    Miados podem indicar comportamento dos felinos idosos

                    Alguns estudos a respeito do comportamento animal, apontam que o alto miado se relaciona ao fato de se sentirem “perdidos” conforme a idade chega. Por isso aumentam o tom para “chamar” seus donos ou amigos pets.

                    Escovação da pelagem dos gatos

                    Com a idade, os gatos vão parando de remover os pelos do corpo com a língua com a mesma frequência. Portanto, escove-o diariamente tirando o excesso dos que já estão soltos, se forem engolidos se tornarão bolas de pelos no estômago, levando os gatos a vômitos. A escovação também auxilia na circulação do sangue e torna os pelos mais bonitos.

                    Não mude seu bichano idoso de ambiente

                    Além de causar estresse ele demoraria um grande período para se acostumar com o novo local e se comportar normalmente. Como também, é bom deixar um objeto familiar por perto, seja um cobertor, almofada ou brinquedo e isso pode evitar que o gato fique muito espantado no início.

                    Cuidado com a alimentação!

                    Em primeiro lugar, procure prestar atenção na alimentação dele. Com o passar dos anos, o apetite diminui, sendo que não podem permanecer muito tempo em jejum, podendo entrar em lipidose hepática, uma doença no fígado.

                    Exercitar é essencial para os animais!

                    Exercícios nessa fase também contam muito! Afinal, não só controlam o peso, mas também a saúde em geral. Por exemplo, com a artrite os músculos deles começam a se atrofiarem. Portanto, brincar regularmente promove elasticidade, aumenta a circulação sanguínea e promove os tônus muscular.

                    O envelhecimento é um processo natural. Mesmo que ocorram mudanças físicas complexas, algumas alterações podem ser controladas. Assim, a chave para um envelhecimento saudável do seu felino está em se atentar e reduzir fatores de risco a saúde.

                    A Arenales Homeopatianimal®   possui uma linha de medicamentos homeopáticos veterinários para a melhor idade dos felinos.

                    Portanto, conheça em nossa página www.arenales.com.br  o FATOR RENAL PET®, FATOR HEPA PET®, FATOR DIARTRO® e FATOR PULMO-COR®!

                      08.03.2019

                      Postado em Gatos